Notícias

Vaticano deve julgar pároco de Diamantina suspeito de crime sexual

16 de Jan de 2019 | 10:00h

Ele poderá ser expulso da Igreja, se confirmada a veracidade da suspeita. A defesa do padre alega inocência.

Foto: Luiz Ribeiro Vaticano deve julgar pároco de Diamantina suspeito de crime sexual
Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, em São João da Chapada, distrito de Diamantina, onde padre celebrava missas
O ex-pároco de São João da Chapada, distrito de Diamantina (Vale do Jequitinhonha), investigado pela Polícia Civil pela suspeita de crime sexual contra adolescente responde a procedimento disciplinar canônico por conta das denúncias e será julgado diretamente pelo Vaticano.   Aberta pelo Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Diamantina, a investigação já está bastante adiantada e o seu resultado será encaminhado para a Congregação da Doutrina da Fé, em Roma, que vai decidir o futuro do investigado. Ele poderá ser expulso da Igreja, se confirmada a veracidade da suspeita. A defesa do padre alega inocência.   Desde fevereiro que, por decisão judicial, o sacerdote foi afastado das atividades da instituição onde morava e trabalhava, o Centro Comunitário Infantil Padre Romano Merten, que atende a cerca de 100 crianças e adolescentes em São João da Chapada, distrito de cerca de 2 mil habitantes. As investigações da Polícia Civil, iniciadas desde outubro de 2015, apontaram que ele teria abusado de pelo menos dois adolescentes da entidade. Entre as medidas cautelares determinadas pelo juiz Fábio Henrique Vieira, da 2ª Vara da Comarca de Diamantina, está a proibição de manter contato com as supostas vítimas, seus familiares e testemunhas.    
São João da ChapadaSão João da Chapada
No início de março, após divulgação do caso , o padre foi afastado de suas atividades na Matriz de Santo Antônio em São João da Chapada. Ele passou a morar em um seminário em Diamantina.   Na quinta-feira, a delegada responsável pelo caso, Kiria Orlandi, da Delegacia de Atendimento à Mulher de Diamantina, disse que as investigações continuam, mas não informou quando o inquérito será encaminhado para a Justiça. Ela disse que um novo pedido de prisão preventiva do padre suspeito foi negado. Apesar disso, o juiz confirmou a manutenção das medidas cautelares impostas ao investigado. A delegada afirmou que, na semana passada, durante uma missa na Igreja do Sagrado Coração, em Diamantina, o padre responsável pela celebração chegou a fazer agradecimento ao ex-pároco de São João da Chapada (que estava presente) pelos “relevantes serviços prestados” àquela comunidade. “Eu achei um absurdo. É como se a Igreja estivesse a favor dele”, afirmou a delegada. Lembrou também que na semana passada, o papa Francisco publicou decreto determinando que os bispos negligentes nos casos de pedofilia poderão ser afastados de suas funções. Por outro lado, um padre que integra o Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Diamantina, que pediu para não ser identificado, informou que o ex-pároco de São João da Chapada teve “limitadas as ordens sacerdotais” – ou seja, foi afastado temporariamente da atividade religiosa – e responde a um procedimento disciplinar canônico. A investigação tem trâmite semelhante a um inquérito da Polícia Civil, sendo ouvidas as supostas vítimas e testemunhas. Na sequência, será ouvido o suspeito, que poderá fazer a sua defesa, antes do envio do resultado para o Vaticano. Ele informou ainda que a decisão sobre o futuro do ex-pároco do distrito de Diamantina será tomada pela Congregação da Doutrina da Fé, de Roma, porque o documento “Delicta graviora”, escrito pela Santa Sé em 2001 e atualizado em 2010, determina que os casos de delitos de abusos mais graves cometidos pelos padres, entre os quais pedofilia, devem ser julgados diretamente pelo Vaticano. OUTRO CASO Em Caldas Novas, padre é preso suspeito de molestar menino deficiente de 15 anos  
Padre Fabiano GonzagaPadre Fabiano Gonzaga
  A Arquidiocese de Uberaba, no Triângulo Mineiro, afastou nesta segunda-feira (6 de junho ), o padre Fabiano Gonzaga, de 28 anos, de Frutal, também em Minas.   Ele foi preso em flagrante no sábado (4), em Caldas Novas, Goiás, acusado de abusar de um adolescente de 15 anos, que tem problemas mentais.   Segundo a denúncia, o garoto estava em uma sauna onde teria sofrido o abuso, quando o padre o obrigou a fazer sexo oral nele.   O sacerdote nega que isso tenha ocorrido, mas acabou autuado. O relato de um psicólogo, que conversou com a vítima, e outros indícios - como imagens pornográficas  de jovens nus em seu celular - teriam pesado no flagrante. O caso foi descoberto após o garoto contar para a mãe que foi trancado na sauna de um clube e obrigado a se relacionar com o sacerdote. A Polícia Militar foi chamada, e o caso então acabou na delegacia e no indiciamento pelo crime de estupro de vulnerável. O religioso alegou à polícia ter mesmo conversado com o adolescente. Mas que saiu do local assim que notou que ele tinha problemas. Afastamento A Arquidiocese de Uberaba divulgou nota para dizer que repudia todo tipo de violência e que aguarda a apuração dos fatos pelas autoridades competentes. A arquidiocese também alegou que o padre, que foi ordenado há pouco mais de dois anos, está agora "vedado no exercício do ministério presbiteral ou qualquer outro encargo eclesiástico".   Enquanto isso... ...Papa contra a negligência Em nova ação contra os casos de pedofilia na Igreja Católica, o Papa Francisco  emitiu no sábado um decreto no qual facilita a destituição de bispos que negligenciarem denúncias de abusos sexuais nas suas dioceses.
Fonte: EM/Jornais Estado de Minas e Estadão


Voltar as notícias